Los Toperas

Jornalismo, videogames e seres abjetos

20 setembro 2005

Exercício de análise empírica de sites de webarte

Between a rock and a hard drive
(http://www.diacenter.org/lucas/)

O site utiliza amplamente o Macromedia Flash como ferramenta multimídia. Além de proporcionar movimento a algumas imagens, ele é usado para proporcionar interatividade ao site.
A navegação entre as diferentes telas acontece através de um menu que apresenta uma lista com as áreas disponíveis, todas com nomes de lugares triviais de uma cidade, como estacionamento, recepção e lavanderia.
Tais imagens são estáticas, mas apresentam balões de diálogos ao melhor estilo HQ, que narram (ou tentam narrar) uma pequena historinha. O diferencial é que quem conversa entre si são os objetos da cena e a “trama” apresentada não possui muita lógica ou sentido.
O grande destaque do site com certeza são as dezenas de teclas dispostas desordenadamente ao redor das cenas estáticas. Possuem aspecto de teclas de computador e cada uma possui uma letra ou símbolo nela que muda assim que o cursor do mouse passa sobre ela. Além disso, cada uma emite um som diferente assim que o cursor passa sobre elas e quando se clica nelas também.
Apesar de não ter um fim muito educativo, informativo ou mesmo útil, o site diverte por uns bons minutos graças à interatividade proporcionada por pelos sons emitidos pela teclas e pelo humor non-sense “britânico” das narrativas nas imagens.

Riot
(http://www.potatoland.org/)

O Riot parece ser mais um navegador de protesto à internet ou então uma maneira de repensar a rede mundial de computadores.
Ao acessá-lo, ele mescla dados de sites visitados por pessoas que o usaram anteriormente com dados de sites visitados por quem o está usando no momento.
O resultado é disposto de maneira totalmente desordenada e praticamente ininteligível. Palavras, imagens e links são colados repetidas vezes na tela e em posições aleatórias, diferentes de onde estavam anteriormente.
Dentro dele, há uma barra de endereços que permite continuar navegando da maneira usual pela web. A cada novo site visitado, a quantidade de dados utilizados vai crescendo e a amálgama de imagem, links e letras vai ficando maior e mais e mais indecifrável.
Não é exatamente um site muito útil, que venha a se tornar referência na web, como o Google, mas serve para de certa maneira repensar a internet e lembrar que na verdade tudo não passa realmente de um amontoado de figuras e letra organizadas de uma maneira que nós entendemos.

Grupo: Alexei Barros, Claudio Prandoni, Fernando Chiari, Gustavo Hitzschky - 3º JO B

1 Comments:

  • At 10:03 AM, Blogger Dani Osvald Ramos said…

    Interessante vocês usarem a palavra "útil" nos dois textos, já que se tratam de sites experimentais, com propostas estéticas, e por isso mesmo sem a finalidade de "utilidade". Eles seriam voltados para o que chamamos em arte de "fruição" estética. Achei legal a associação do primeiro com HQ (é verdade, lembra) e do segundo com um "amontoado de palavras" - é o que temos, na realidade, pilhas de 0 e 1 formando imagens e textos.

     

Postar um comentário

<< Home